Silva – Feliz e Ponto

silva-feliz-e-ponto

De maneira geral, é papel da arte, esteja ela ligada a um mercado ou não, ser tanto um catalisador do que acontece em seu tempo, quanto um revelador daquilo que as pessoas quisessem que fosse comum (no caso da indústria cultural, seus produtos concentram-se ainda mais nesse segundo aspecto).

É difícil não pensar nisso quando Silva lança um clipe como Feliz e Ponto, feito sob medida para um público que anseia em ver representatividade não necessariamente da maneira com que vive, mas de um universo no qual adoraria habitar.

A produção, com direção de William Sossai, coloca o músico capixaba envolvido com duas pessoas ao mesmo tempo no meio da natureza, em um trabalho muito bonito de fotografia e montagem que sabe construir os quadros e cenas certos para atingir seus objetivos enquanto presenteia o espectador com muita beleza.

O quanto há de sinceridade na obra, ou o quanto a conduta “pego quem quiser, fumo o que quiser” denota uma juvenilidade tardia, cabe a cada um julgar. O que fica difícil discutir é o quanto o intuito de chamar atenção foi muito bem realizado, por menos original que seja o vídeo ou a atitude.

Avaliação MP:  4/5 ★★★★☆ 

Curta mais de Silva no Música Pavê

Shuffle

Sigur Rós – Gobbledigook
A estética de Ryan McGinley mostra a juventude pura, inocente e neo-hippie em uma das músicas mais bonitas da década passada
Florence + The Machine - No Light, No Light
O conceito do disco Ceremonials é mais uma vez trabalhado neste vídeo, no qual vemos um ritual de magia negra que leva a cantora a ter atitudes drásticas para ficar livre da situação. A ação é bem construída, mas esse tema já está começando a cansar
Playlist: #NãoVouVerCopa
Venha curtir uma baita seleção de 36 músicas para você conseguir fugir do caos desta temporada de jogos com uma trilha sonora pra lá de campeã, só com brasileiros

Curtiu? Comente!

Comments are closed.

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.