Entrevista: Projota

projota

(fotos de Rafael Kent)

Projota é um nome presente no rap brasileiro há quase uma década e, após muita luta, lançou recentemente Foco, Força e Fé, seu primeiro álbum completo, pela Universal Music – um trabalho que se destaca tanto pelos nomes nas participações, quanto por trabalhar diferentes nuances do estilo, fugindo de seus lugares comuns. São músicas sobre situações sentimentais nas relações interpessoais e sobre a vida em si, tudo condensado na força da combinação rimas e batidas.

Por email, conversamos com o rapper sobre o disco, a carreira e fazer música no Brasil hoje.

Música Pavê: Este é seu primeiro álbum em nove anos na ativa. Batizá-lo de Foco, Força e Fé é uma maneira de revelar sua atitude para marcar a sua carreira?

Projota: São os pilares da minha vida, minha ideologia, e refletem exatamente o momento que estou vivendo, demonstrando o sentimento que carrego ao realizar esse feito hoje.

MP: Na faixa-título, você cita Elis Regina, Renato Russo e Kurt Cobain como influências. Na sua perspectiva, existe algum tipo de preconceito no meio musical sobre ouvir sons fora de seu “nicho”? Quais outros sons te inspiram?

Projota: Em todos os estilos musicais isso ocorre, o fã espera que você seja idêntico a ele. Mas isso é impossível, e o fato que deve ser exaltado é o quanto é especial sermos diferentes, mas, mesmo assim, termos muito em comum e sermos unidos através da música que canto e eles escutam. Cresci ouvindo rock, samba e MPB, mais tarde chegou o rap. Mas eu escuto de tudo um pouco.

MP: Além de citar Renato Russo, o próprio Dado Villa-Lobos toca Tempo Perdido na base de Carta aos Meus. Como foi poder gravar com alguém que você ouviu tanto, a ponto de citá-lo como influência?

Projota: Sou um fã daqueles que conhecem praticamente todas as músicas e cresci ouvindo os discos do Legião influenciado por meu irmão mais velho. Foi com certeza um dos maiores sonhos que já realizei.

MP: Como foi trabalhar também com Marcelo D2 e Negra Li? Quanto eles adicionaram às composições no estúdio?

Projota: Eu tenho a necessidade diária de agradecer a Deus por ter sido abençoado com essas duas pessoas no meu disco. Sou fã dos dois há muitos anos e foi especial tê-los participando deste projeto. As músicas não seriam nada sem eles, foram essenciais nas suas respectivas participações.

projota

MP: Existe uma boa variedade de temas dentro do disco, de músicas mais críticas sociais e outras mais românticas. Essa foi uma decisão consciente para o repertório do disco, essa intenção da diversidade nas letras, ou veio naturalmente conforme você escolhia quais gravar?

Projota: Eu tentei fazer com que, dentro do disco, estivessem presentes todos os principais temas que eu abordei ao longo dos anos, quero dizer, temas sociais, temas românticos, temas abordando a autoestima do indivíduo e, com certeza, as músicas românticas.

MP: Há também uma diversidade sonora, com J Balvin trazendo seu reggaeton pro álbum. Em uma época em que Criolo, por exemplo, promove tanto a intersecção de gêneros na música, como você vê essas outras referências entrando no mundo do Rap e Hip Hop?

Projota: O rap e o reggaeton tem tantas coisas similares. Acho que é algo necessário para a expansão da nossa arte, nossa cultura. Cada um deve buscar seu caminho e tenho seguido o meu, fazendo música com quem eu admiro, e recebo isso com reciprocidade. Fazer música é algo especial e poder fazer com outros grandes nomes é mais especial ainda.

MP: Estar assinado com uma major e lançar um álbum com uma produção dessas é uma realidade bem diferente do início da sua carreira. Como você faz para manter os pés no chão e não se perder de suas raízes?

Projota: Sabe, isso é algo que vem de berço. Ou você tem os pés no chão, ou não tem. Eu não tive dinheiro de berço, não tive escola particular, mas ganhei em troca a simplicidade e a capacidade de sorrir para quem aperta minha mão e recebi amigos leais e uma família incrível. E é isso tudo que mantém com os pés no chão.

MP: Pra terminar, como você avalia a música feita hoje no Brasil? O que ela tem de melhor e de pior?

Projota: Falta a estrutura que eles tem lá fora, temos muito pra aprender ainda e profissionalizar. Mas nossa essência é muito real. A variedade talvez seja o maior trunfo. Um país gigantesco, com talvez o maior nível de miscigenação do mundo, isso enriquece demais nossa música.

Curta mais entrevistas exclusivas no Música Pavê

Shuffle

Temporada de Cantoras na Moda
Rihanna,Azealia Banks, Lady Gaga, Kylie Minogue, Florence Welch e Gwen Stefani foram algumas das artistas que estrelaram revistas internacionais nos últimos meses
Tiago Iorc - Yes and Nothing Less
A viagem do músico com o diretor e fotógrafo Rafael Kent rendeu mais um videoclipe, desta vez gravado em belas paisagens do interior do estado da Carolina do Norte
Mustache e os Apaches - Orangotango
Banda causa macaquices pelo centro de São Paulo em uma produção que revela bem o clima da música - o primeiro single do álbum "Time Is Monkey" - e o trabalho do grupo

Curtiu? Comente!

Comments are closed.

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com