Cinco Bandas que Retornaram aos Palcos em 2012

(foto de  Ricardo Matsukawa/Terra)

##Morrissey

2012 foi um ano de surpresas nas casas de shows de São Paulo. Depois de 12 anos, por exemplo, o sir inglês-que-adora-a-monarquia (ironia MODE ON), Morrissey, pisou no Brasil novamente. Desta vez, os destinos foram Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo. Eu estive lá no Espaço das Américas no dia 11 de março para conferir o deus-pop-inglês. No carro, eu já dizia para os meus amigos: “não espere nada de Smiths além do que ele já toca”, e – batata – acertei. Morrissey é previsível, já sabemos até o discurso dele durante os shows, já sabemos quem ele vai atacar, mas isso não subestima o talento do velhinho de Manchester. O Brasil reencontrou o sir e tudo se transformou numa noite mágica depois de 12 anos.

##James

As surpresas continuaram em abril, quando, dia 30, os outros ingleses do James, a lendária banda dos anos 80 (também de Manchester) teve contato com o público brasileiro pela primeira vez. Foi uma atmosfera única, pois o show foi na boa casa Cine Joia, ali no Liberdade, para 1.100  pessoas. Poucos ouviram falar do James e muitos não ouvirão falar mesmo. O show foi único, uma atmosfera totalmente fora de si, e àqueles que juravam que jamais assistiria o James um dia (já que em 2002 eles acabaram com a banda e só retornaram em 2007), esse 30 de abril ficou para a história dos shows no Brasil.

##Garbage

Nesta onda de bandas que se juntaram de novo e/ou retornaram ao Brasil após longos anos, aqui cabe um bom destaque para o Garbage. Os estadunidenses demoraram décadas para pisarem em palco tupiniquim. Para a decepção dos fãs, foi apenas um show no Planeta Terra, sem mais datas agendadas, mas a apresentação foi boa. Eu não estava lá, porém a TV me transmitiu a atmosfera e os fãs conseguiram colocar a emoção pra fora postando centenas de coisas na Internet: foi um show recheado de clássicos, clichês e emoções a todos instante (por parte dos fãs, porque a Shirley continua seca!).

##Suede

No mesmo dia, o público também presenciava o Suede, os bons londrinos dos anos 90 que revolucionaram o rock inglês na década do grunge. Sou fã do Suede, admito, e fiquei triste por não assisti-lo. Também fiquei decepcionado, assim como os fãs do Garbage, por esse ter sido seu único show no Brasil, mas não tem do que reclamar. Foi apenas uma hora de apresentação, sem parar, clássico atrás de clássico e, no auge dos seus 45 anos, Brett Anderson parecia um adolescente no palco. Não estava lá, mas conheço fãs próximos do grupo que não sabem descrever aquele momento até hoje.

##Stone Roses

Uma banda que faço um parêntese pelo retorno aos palcos, mas que ainda não veio ao Brasil, é Stone Roses. O quarteto clássico da Inglaterra que deu inspiração a Liam Gallagher, Noel Gallagher, Damon Albarn e Brett Anderson, entre outros, rodou a Europa com o show da volta. Eu, felizmente (ou infelizmente!), pude presenciar isso no dia 25 de junho em Lyon, na França, no tradicional “Les Nuits des Fourvieres” (As noites de Fourvières). O show foi num belíssimo teatro romano para um pouco mais de 20 mil pessoas. No metrô e no bondinho que conduzia os espectadores até o teatro (que fica na parte alta de Lyon), já era possível ver alguns ingleses fanáticos, bêbados, gritando “Stone Roses!” sem parar. O show começou com a clássica I Wanna Be Adored e parou por aí. Foi uma performance fraquíssima, sem emoção alguma. Bem apática, diga-se de passagem. Stone Roses não é, nem de longe, uma das melhores bandas da Inglaterra, por mais que tenha inspirado lendas como Oasis e Blur. A banda é bem complicada de se ouvir. Não aguentei até o fim do show, fui embora antes com uma decepção enorme. Em 2013 pode ser a vez deles aqui no Brasil, se preparem.

Aliás, 2013 é um ano que promete trazer The Cure de volta ao Brasil e até mesmo Pet Shop Boys!

Shuffle

Entrevista: Garotas Suecas

Saiba mais sobre a experiência deles de fazer clipes, como foi gravar Banho de Bucha com o Jacaré (do É o Tchan) e novos elementos em futuros sons da banda

The Killers - Just Another Girl

Dianna Agron (de "Glee") faz as vezes de Brandon Flowers e protagoniza o clipe que serve como homenagem à banda, agora em hiato, recordando sua carreira

Entrevista: Mahmundi + Emerson Leal

Atração da terceira noite do Festival BRio, a cantora carioca e o músico baiano conversaram ao Música Pavê sobre a produção brasileira hoje e suas principais tendências

Curtiu? Comente!

One Comment on “Cinco Bandas que Retornaram aos Palcos em 2012

  1. 2003
    Breeders = 9 anos inativo

    2004
    Pixies = 13 anos inativo (voltou só pra shows)

    2007
    Smashing Pumpkins = 7 anos inativo
    Jesus and Mary Chain = 9 anos inativo (voltou só pra shows)

    2009
    Alice in Chains = 14 anos inativo
    Skunk Anansie = 10 anos inativo
    Portishead = 12 anos inativo

    2010
    Faith no More = 13 anos inativo (voltou só pra shows)
    Pavement = 11 anos inativo (voltou só pra shows)
    Hole = 8 anos inativo
    Stone Temple Pilots = 9 anos parado
    Rage Against the Machine = 10 anos inativo
    Superchunk = 9 anos inativo

    2011
    Bush = 10 anos inativo
    Jane’s Addiction = 8 anos inativo
    Roxette = 10 anos inativo

    2012
    Soundgarden = 15 anos inativo
    No Doubt = 11 anos inativo
    Garbage = 7 anos inativo
    Sinead O’connor = 4 anos parada
    Cranberries = 11 anos inativo
    Sixpence none the Richer = 4 anos parado
    Soul Asylum = 6 anos parado
    Fiona Apple = 7 anos inativa
    Smash Mouth = 6 anos parado
    Ugly Kid Joe = 16 anos parado
    Sebadoh = 13 anos inativo
    Coal Chamber = 10 anos inativo
    Wallflowers = 7 anos parado
    Swervedriver = 14 anos parado
    Guided by Voices = 8 anos inativo
    Pulp = 11 anos inativo (voltou só pra shows)
    Suede = 10 anos inativo (voltou só pra shows)
    Man or Astroman = 10 anos inativo (voltou só pra shows)
    Blur = 9 anos inativo (voltou só pra shows)
    Cardigans = 7 anos parado (voltou só pra shows)

    2013
    My Blood Valentine = 22 anos inativo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Clipes por estilo

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.