“/remix” >>> Anúncio do lançamento + Prévia

breu-baleia-cicero-remix

O que era uma ideia interessante virou um grande disco para quem já conhecia essas faixas e para quem vai ouvi-las agora pela primeira vez. A proposta de /remix é colocar bons músicos no desafio de pegar a música de outra pessoa e reimaginar aquela criação com os elementos que a compõem e outros além. O EP que resultou disso esbanja criatividade e estará disponível para download gratuito e streaming nesta quinta, 26 de junho, com seis remixes oficiais e duas faixas bônus feitas por bandas sempre presentes no Música Pavê.

O disco começa com o remix que Ventre fez para Arrebol, da banda Onagra Claudique. A versão insere a poesia do grupo em um ritmo inesperado que pode causar estranhamento de primeira, mas, quando você menos espera, já está mergulhado na música e torce pra ela não acabar nunca. Em seguida, vem o que Cícero aprontou pra Breu, uma das faixas de maior destaque de Quebra Azul, que Baleia lançou em 2013. Ele reconstruiu a identidade da canção, eliminando o refrão tão característico e dando uma ambientação que parece estar no meio do caminho entre o que o músico fez em seus dois discos.

Quando o remix de Violent Thrill começa a tocar, você entende que a coisa agora ficou séria. César Lacerda pegou a voz de Jan Felipe e encaixou sua letra em uma pegada totalmente nova, brincando com silêncios e timbres, uma prévia do que César fará em seu próximo disco. Em seguida, vem a réplica. A Herói de Jan valoriza o vocal em um cenário mais cosmopolita, dialogando com teclado e guitarra com alguns segundos a menos do que a original e um tempero a mais.

Baleia decidiu não gravar nenhum elemento extra às gravações que Cícero fez para Fuga nº4, então sua versão expande a identidade da música ao pegar seus elementos mais característicos e reorganizá-los em uma aura ainda mais densa e rica em camadas sonoras. Pra terminar essa primeira parte, temos a honra de apresentar a primeira versão de estúdio de Pernas, música que Ventre só havia apresentado em gravações ao vivo. Sabendo disso, Onagra Claudique respeitou a integralidade da letra e criou um remix que flerta com o trip hop, resultando em uma faixa impressionante e bem diferente do trabalho das duas bandas.

O que ninguém sabia é que a brincadeira não acaba aí. Como bônus, o sempre infalível Nevilton topou o desafio de remixar uma música dele mesmo: Noite Alta, presente em seu Sacode (2013). Com um peso diferente e uma certa psicodelia, a reinvenção trabalha a identidade da música na missão de entregar dar um novo fôlego para uma faixa que ainda funciona tão bem. Encerrando o disco em ritmo de baile, Daniel Plentz, baterista do quarteto Selton, mostra o remix que fez pra sua Across the Sea sob o nome Bjimbo – um funk pancadão que exalta o bom humor da banda e explora um dos melhores refrões feitos no ano passado.

Revisitando músicas que já conhecíamos, /remix acaba sendo um dos lançamentos mais originais da temporada e cruza as fronteiras de ser uma coletânea de versões para se tornar um disco muito bom de ser ouvido.

Pra matar a curiosidade, ouça o remix de Cícero para Breu, do sexteto Baleia, e prepare-se para o lançamento no dia 26 de junho, quinta-feira, no endereço: musicapave.com/remix

1. Onagra Claudique – Arrebol (Ventre Remix)
2. Baleia – Breu (Cícero Remix)
3. Jan Felipe – Violent Thrill (César Lacerda Remix)
4. César Lacerda – Herói (Jan Felipe Remix)
5. Cícero – Fuga nº4 (Baleia Remix)
6. Ventre – Pernas (Onagra Claudique Remix)
7. Nevilton – Noite Alta (Remix) (Bônus)
8. Selton – Across the Sea (Bjimbo Remix) (Bônus)

Saiba mais sobre o projeto /remix

Shuffle

Cover: Florence + The Machine canta Green Day
Acompanhada de Dev Hynes, o Blood Orange, Florence Welch solta a voz em sua versão de Hitchin' a Ride, sucesso que a banda lançou em 1997 para anunciar o álbum Nimrod
Foster the People: 2012 em Fotos
O fotógrafo Andy Barron acompanhou Mark Foster e seus parceiros ao redor do globo durante o ano, capturando em fotos digitais e polaroides muito da animação da banda em shows e backstage
The Staves - Blood I Bled
Gravada na Índia, produção consegue atingir o mesmo alcance emocional que a canção já possuía ao mostrar uma narrativa que compila histórias de maneira mais subjetiva

Curtiu? Comente!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com