Rubel: Música Sem Fronteiras

rubel

Partido ao meio, com saudades antecipadas. Quem nunca se sentiu com os pés separados, um de cada lado, e com a cabeça exatamente na linha da divisa entre dois mundos talvez não entenda a poesia do disco Pearl de Rubel. Podem ser dois lugares, duas pessoas, ou duas partes de si mesmo. Dessa divisão que poderia ser uma desastrosa ruptura, surge surpreendentemente, ao invés disso, uma combinação de lugares, de pessoas ou de duas partes de um mesmo artista.

Ninguém nos conta que quando colocamos os pés numa cidade que não é nossa, nós imediatamente começamos a criar raízes para sobrevivermos. Criamos vínculos com sons, vozes, paisagens, cheiros, sensações únicas. Principalmente, com pessoas. O instinto parece ficar mais apurado, em alerta. E descobrimos um lado nosso que não sabíamos existir. Nos tornamos duas pessoas dentro de um só corpo, tentando encontrar o lugar a que pertence a nossa alma.

Quando Bate Aquela Saudade

As músicas tem letras diretas e sinceras, que durante seu desenrolar desdobram- se de maneira inusitada com algumas sacadas geniais. Desde o “senta aqui do lado / e tira logo a roupa” ao “não tem medo não / eu sei, vai dar errado / a gente fica longe / e volta a namorar depois”, as faixas mostram poesia nunca antes escrita, sentimentos nunca colocados dessa forma: sem fronteiras, barreiras ou limites – o que só poderia sair de sangue novo, alguém que nunca se aventurou por essas bandas estranhas e receptivas que só a música tem, um vazio desses de “cego perdido no deserto”, de alguém que mesmo sem saber para onde vai, dá o primeiro passo.

Somos tantos num só: tantas imagens para passarem por um só par de olhos, tantos gostos por uma só boca, tanta música para só dois ouvidos e uma inúmera quantidade de sentimentos para serem abarcados por um único coração. Tudo é tão intenso que quando a gente encontra alguém que se dispõe a dividir um pedaço dessa imensidão, o sentimento do mundo parece se ajeitar numa proporção mais justa. Acho que a música desse disco é sobre isso. Sobre dividir para juntar, seja duas cidades em uma – o Rio de Janeiro e Austin -, dois instrumentos num arranjo – o violão carioca e o banjo texano, ou o encontro e o desencontro. Cabe tudo num só verso.

Quadro Verde

Pearl

Para baixar Pearl, acesse o site oficial de Rubel.

Shuffle

Curtiu? Comente!

3 Comments on “Rubel: Música Sem Fronteiras

  1. Pingback: Mais Lidos e Vistos de Maio/2013 : Música Pavê

  2. Pingback: Nossa “Pavezeira” Mariana Martins lança livro em São Paulo : Música Pavê

  3. Pingback: Rubel prepara o clipe de “O Velho e o Mar” : Música Pavê

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com