Quinze Videoclipes que Resumem 2015

florence-the-machine-what-kind-of-man

Já que é pavê, uma lista de clipes que marcaram 2015 não poderia ficar de fora de nosso especial de fim de ano.

Com mais de 420 vídeos comentados ao longo dos últimos doze meses no site, foram muitos aqueles que entraram na memória e ficarão lá por um bom tempo. Na hora de escolher os mais marcantes do período, estes foram os quinze que a equipe do Música Pavê mais mencionou.

(Curta mais do especial 2015 em Resumo)

###Florence + The Machine – What Kind of Man

“Este é o primeiro de uma séries de vídeos que Florence + The Machine lançou para divulgar seu álbum. Contudo, há algo em What Kind of Man que fez com que o escolhêssemos para esta lista. Talvez seja o sofrimento que não aguentamos ver de uma cantora que gostamos tanto. Florence está mais vulnerável do que nunca. É um vídeo que te prende do começo ao fim. Vale destacar também a coreografia do clipe” (William Nunes)

###André Whoong – Eu Vou Parar de Beber

“Seria muito fácil se contentar com a oportunidade de ter um clipe em stop motion e sentir que não precisaria de mais nada mais do que o formato. O maior mérito de Eu Vou Parar de Beber é ir além na hora de ilustrar o bom humor da música. Excelente” (André Felipe de Medeiros)

###Emicida – Boa Esperança

Boa Esperança não ganhou apenas um clipe, mas praticamente um curta-metragem. O vídeo não poderia ser diferente: é tão agressivo quanto a música. A intenção é chocar e chamar a atenção para um assunto tão importante que deve ser debatido. O clipe ainda ganhou um mini-doc que conta as histórias que fazem de Boa Esperança a produção grandiosa que ela é” (William Nunes)

###Adele – Hello

“Apesar da música encorpada, o clipe de Hello é bem simples e literal: uma visita ao passado, uma reflexão com chá das cinco, uma casa empoeirada, Adele ao telefone e relembrando momentos. Hello não traz nada de novo, nem no tema, nem no clipe. Mas, ainda assim, é válida sua simplicidade bruta ao tratar de uma angústia que, entra ano e sai ano, permanece igual para todos” (Anna Rinaldi)

###Tiago Iorc – Amei Te Ver

“Uma ideia simples pode gerar um grande clipe, principalmente quando há um mistério que nos prende até o fim. A câmera guiada em um plano sequência funciona muito bem, assim como a delicadeza das imagens captadas. Um vídeo que condiz totalmente com a música” (William Nunes)

###João Capdeville – O Mundo Vai Girar

“Uma música tão bela ganhou um clipe não só de respeito (no sentido forma), mas também respeitoso (no que condiz ao tema proposto e à sensibilidade da composição). Em meio a grandes produções desta lista, O Mundo Vai Girar causa uma reação emocional que extrapola suas dimensões” (André Felipe de Medeiros)

###Qinho – Sweet Trouble

“Um filme de ação hollywoodiano com charme de propaganda de pergume europeu – não tem com ver Sweet Trouble sem esboçar algum sorriso impressionado. Curtinho, mas dura para sempre na memória” (André Felipe de Medeiros)

###Years & Years – King

“No clipe de King, os integrantes da banda aparecem sendo vorazmente apalpados por diversas pessoas. As imagens, a princípio, parecem falar sobre luxúria. Contudo, ao longo do clipe, é possível perceber a referência ao comportamento sufocante dos fãs, seja no contato físico em shows e eventos, seja na construção de uma idealização máxima. De endoidar qualquer artista” (Anna Rinaldi)

###Scalene – Sublimação

“Sublimação é passagem do estado sólido para o gasoso; ou ainda a exaltação de algo. No clipe de Sublimação, da Scalene, o engrandecimento da alma acontece debaixo d’água, o que dá um quê mais espiritual para o vídeo. A mudança de velocidade da câmera em alguns momentos rende belas sequências. Um belo clipe do projeto Around The World in 80 Music Videos” (William Nunes)

###Tame Impala – The Less I Know the Better

“Candidata aos títulos de produção mais colorida e mais criativa do ano, a obra narra um triângulo amoroso de uma maneira espetacular, literalmente, fazendo com que as perspectivas dos personagens ganhem dimensões de encher os olhos”

###Kendrick Lamar – Alright

“Documental e poético, bem humorado e agressivo, preto e branco. Fortes contrastes em planos inesquecíveis fazem deste um clipe mais do que completo: Histórico” (André Felipe de Medeiros)

###M.I.A. – Borders

“Uma das questões mais relevantes para a humanidade como um todo em 2015 foi a questão dos refugiados que tentaram exílio em outros países, muitas vezes fugindo de uma situação trágica para encontrar a tragédia em si em sua trajetória. A cantora encerrou o ano dando voz à causa e seu videoclipe ilustra, de maneira impressionante, a questão” (André Felipe de Medeiros)

###Jacob Perlmutter – When You’re Alone

“O próprio músico britânico dirigiu este clipe, gravado no Brasil, que se concentra em ilustrar o conceito da música através da interpretação do ator/bailarino. Simples e muito eficaz, merece o destaque” (André Felipe de Medeiros)

###Unknown Mortal Orchestra – Can’t Keep Checking My Phone

“Uma obra meio ficção-científica, meio surrealista que brinca também com o choque entre o objetivismo (afinal, os nomes dos fenômenos apresentados despertam a curiosidade de saber mais sobre eles) e aquilo que é mais subjetivo (a interpretação da obra como um todo), tudo isso em quadros muito bem construídos. Imperdível” (André Felipe de Medeiros)

###Sia – Elastic Heart

“Daniel Askill não estava de brincadeira quando dirigiu este clipe. Mesmo com um cenário simples e figurino quase inexistente, o vídeo marcou minha vida de uma maneira inexplicável. A história por trás do clipe e a corografia perfeita mexem com os sentimentos de qualquer um. Chorei na primeira vez que assisti e não me envergonho. Uma obra maravilhosa que não me canso de ver” (Carolina Reis)

Curta mais do especial 2015 em Resumo no Música Pavê

Shuffle

Fotógrafo: Diego Ciarlariello
Céu e outros grandes nomes da música brasileira já foram registrados no palco por este jovem fotógrafo de São Paulo, como Karina Buhr, Marcelo Camelo e Rita Lee. Conheça mais de seu trabalho capturando shows em fotografias
Cover: Florence + The Machine canta Green Day
Acompanhada de Dev Hynes, o Blood Orange, Florence Welch solta a voz em sua versão de Hitchin' a Ride, sucesso que a banda lançou em 1997 para anunciar o álbum Nimrod
Fleet Foxes - Fool's Errand
Grupo apresenta elementos bem orquestrados para, com um quê de fantasia pela direção de arte, ilustrar as características de leveza e profundidade presentes nesta canção

Curtiu? Comente!

Comments are closed.

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com