Gui Hargreaves: “A possibilidade de afeto é uma coisa muito brasileira”

Dizem que há mais mineiros fora de Minas Gerais do que no estado, e Gui Hargreaves é um desses cidadãos do mundo que corroboram a ideia. Contudo, como observamos em seu segundo disco, o recém-lançado Volta, ele pode sair de sua terra, mas ela não sai dele.

Suas músicas têm, em um primeiro contato, aquele teor de “MPB para exportação”, mas uma audição mais atenta percebe uma liberdade criativa que vai além das belas harmonias, arranjos e harmonias construídos a partir dessas idas e vindas que a vida lhe presenteia e todas as experiências que o lançar-se ao mundo pode trazer em termos de inspiração.

“Acho que estou muito aberto a mudanças, a ser levado quando o vento bate”, contou Gui ao Música Pavê por telefone, “fica mais claro para todo mundo que sai de casa qual é o lugar que você se identifica como parte. Tive a oportunidade de viajar, estudar fora quando era mais novo, me aventurar depois em mochilão em casas de amigos que moravam fora. Acho que isso vai fortalecendo o que é esse Brasil que a gente representa”.

Ao ser questionado sobre como ele identifica o país hoje, o artista comenta ter aprendido que “a possibilidade de afeto é uma coisa muito brasileira, isso fica muito claro nas relações quando você está fora”. Ao ouvirmos músicas como ColagemJamais Oublier VocêSaudade, esse carinho no trato ao outro é evidenciado como parte da natureza do compositor e na maneira com que ele se relaciona com os outros na mesma qualidade acalorada do seu timbre de voz.

É interessante notar como línguas diferentes se confundem em suas letras, às vezes em um mesmo verso, daquele jeito que funciona a mente de quem sabe mais de um idioma. E sua relação com palavras é de fato interessante, visto que ele tem um livro de haikus publicado. Quando perguntado se ele vê alguma relação entre o que escreve para ser lido e o que é para ser cantado, Gui explica que é “muito diferente”, como se ele fosse “duas pessoas e cada uma tá se desafiando num lado com uma proposta, como se fossem dois empregos pra um mesmo corpo. Muito louco (risos)”.

Essa distinção só adiciona ao leque de características múltiplas que Gui Hargreaves apresenta em sua obra, de músicas que encontram caminhos bastante livres para desenvolverem suas ideias às letras que aproveitam palavras de vários idiomas para compor sua mensagem. É o tipo de criatividade, no sentido literal da palavra, adquirida nessa exploração do mundo que o cerca e na consequente descoberta de si que ele realiza e canta.

Curta mais entrevistas no Música Pavê

Shuffle

Cover: The Cleverlys faz versões bluegrass para músicas pop
A banda americana canta Black Eyed Peas, Beyoncé e Katy Perry, entre outros
Cover: The Ting Tings canta Lana del Rey
Banda inglesa foi cantar num programa de rádio e escolheu para cover justamente uma canção que por si só já não é das melhores, e ainda adicionou trechos de outra música e um verso gritado do Skrillex. Desastre: Sim ou óbvio?
Alabama Shakes: Os Deuses de Athenas
Brittany Howard e seus companheiros conseguiram, com o melhor do rock'n'roll, até desbancar Adele do primeiro lugar das paradas britânicas, se firmando como uma das bandas do ano

Curtiu? Comente!

Comments are closed.

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com