Festival Bananada: Agente de Transformação Cultural

foto de pedro margherito

Em 07 de maio, começa, em Goiânia (GO), mais uma edição do Festival Bananada. Há vinte anos, o mês de maio é aguardado pelos goianienses, e agora também pelos brasileiros, com entusiasmo. Em 1999, Fabrício Nobre, idealizador do Festival, tinha a idade que o Bananada completa neste ano; ele organizou um evento para divulgar a sua própria banda e a dos seus amigos. Nessa, Nobre também convidou músicos de outras cidades para se apresentarem e, claro, conhecerem a cena musical em Goiânia.

Assim, o rapaz não parou mais de reunir os amigos e, hoje, o Bananada está na lista dos maiores festivais de música do Brasil. Ao longo desses anos, o evento mostrou que não é apenas um passatempo. O maior evento de música independente do Centro-Oeste brasileiro foi e continua sendo uma escola para a juventude goiana e também para aqueles que sonham um dia ter sua banda ou trabalhar com música.

Foi assim com o hoje músico, baixista e produtor da banda Carne Doce, João Victor Santana. Para ele, o Bananada foi o primeiro contato com a cena autoral de Goiânia. “Pude conhecer muita coisa da cidade de uma vez só, não só o primeiro contato com as bandas da cidade, como do Brasil e, de brinde, umas internacionais. Isso estimulava e estimula muito qualquer pessoa que sonhava e ainda sonha trabalhar com música”, disse.

Marcello Victor, guitarrista e vocalista da Lutre, é outro jovem goiano que frequentava o e que sonhava um dia subir no palco do evento. Hoje, sua banda faz parte do line up desde 2016 e, nesta edição, Marcello e seus amigos tocarão no famoso “Final de Semana do Bananada”, sábado no palco Catuaba Selvagem. “O Bananada não só forma como plateia, mas também, pra quem tem uma banda, é o tempo todo sonhando em estar lá em cima do palco”, explicou.

Além de estimular uma garotada a fazer e estudar música, o Bananada, que começou pequeno em um local e apenas com dois palcos, formou culturalmente uma massa de adolescentes e jovens que cresceram frequentando o Festival. Se ele é o que é hoje e tem um público interessado não só em música, mas também em arte, gastronomia e em, até mesmo, política, é graças a esses anos de formação de plateia que o próprio Festival construiu.

Bruna Mendez, cantora goiana, é outra artista que se apresentará nesta 20° edição e que também passou por essa formação. “Eu frequento o Festival há dez anos e, no geral, assim como outros festivais, a formação do público pra mim é o que faz valer a pena toda essa estrutura, porque é importante para cidade, para população, para quem está começando e para quem já não aguenta mais ser tão cerceado”, explicou.

Bruna, que se apresentará na sexta-feira (11) no palco Red Bull Music, lembra que foi como público do Bananada que ela desenvolveu a vontade de ter uma banda e foi com os festivais que ela quis levar a carreira a sério. “Eu quis vislumbrar uma carreira, profissionalizar o processo todo e não ser só um hobby”, acrescentou a cantora.

Ana Paula Holzbach é outro exemplo dessa formação. Hoje com 24 anos, ela se diz ser grata ao Bananada por ter proporcionado a ela oportunidades de assistir a shows que ela, menor de idade e sem dinheiro, não teria chance. “O ‘Quanto Vale o Show?’ ajudou muita gente a frequentar eventos de música. Para mim mesma, o festival me acrescentou muito culturalmente”, disse.

Apesar das dificuldades financeiras que a organização do Festival tem enfrentado- na última edição, as contas não fecharam e houve prejuízo – Fabrício Nobre não desistiu de seu sonho de juventude, o Bananada resiste e a 20° edição se aproxima. Assim, mais uma leva de goianienses terão a chance de assistir a seu artista favorito e de “ter várias experiência”, como a organização promete.

foto por pedro margherito

Bananada 20 anos

A edição comemorativa do maior festival de música e arte independente do Centro-Oeste, Festival Bananada, ocorrerá entre os dias 07 e 13 de maio. Os shows, como nas últimas edições, serão em diversas casas, bares e centro culturais de Goiânia, como a Diablo, Teatro SESC Centro, Cafofo Estúdio e Complexo.

A novidade deste ano é o local do final de semana. O maior shopping da cidade, Passeio das Águas, acolherá o Festival. O pátio externo do shopping terá três palcos para artistas locais, de outros lugares do Brasil e também de outros países.

O Goiania Crew Attack (skate park), campeonato de skate interativo e dinâmico criado em 2009 e incorporado à programação do Bananada em 2014, continuará neste ano. Em 2017, 24 equipes participaram.

Programação Completa do Fim de Semana

Gilberto Gil Refavela 40Nação Zumbi, Pabllo Vittar part. Aretuza Lovi, BaianaSystem, Emicida feat. Drik Barbosa e Coruja BC1, Lee Ranaldo, Boogarins, Rincon Sapiência, ÀTTØØXXÁ, Heavy Baile, DJ Marky, Carne Doce, Meridian Brothers, KL Jay, As Bahias e a Cozinha Mineira, Francisco, el Hombre, Javiera Mena, Larissa Luz, Rimas e Melodias, The Ganjas, Triz, Bruna Mendez part. Tuyo, Ava Rocha, Menores Atos, Negro Leo, Giovani Cidreira, Camarones Orquestra Guitarrística, Molho Negro, Ana Muller, Holger, Jorge Cabeleira e Dia em que Todos Seremos Inúteis, Hellbenders, Ema Stoned, Deafkids, Blastfemme, Adelaida, Kalouv, Violins, Ermo, Corona Kings, RØKR, Oruã, Niela, Vamoz, gorduratrans, In Corp Santics, Branda, Brvnks, Marcelo Callado, Laura Lavieri, Frieza, Sarah Abdala, MQN, Lutre, Ave Eva, Sheena Ye, Mellow Buzzardz.

Serviço
De 7 a 13 de maio de 2018
Local: Pátio externo do Passeio das Águas Shopping, Av. Perimetral Norte, 8303 – Goiânia.

Shuffle

Curtiu? Comente!

Comments are closed.

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com