Entrevista: Manchester Orchestra

Formada em 2004, a banda americana Manchester Orchestra já era conhecida pelos amantes do rock alternativo, indie rock e southern rock por músicas como Shake It Out e I’ve Got Friends, belos exemplos do som misto e cheio de alma (como manda a tradição no sul dos Estados Unidos). Mas foi em 2011, com o videoclipe Simple Math, que o quinteto liderado por Andy Hull ficou conhecido de uma vez por todas pelo grande público. Eleito pelos leitores do Música Pavê como o melhor do primeiro semestre (e sem muitos concorrentes a altura para chamarmos de “Melhor do Ano”), o vídeo eleva a experiência “videoclíptica” em muitos graus ao narrar a experiência da “pré-morte”. Com indicações ao VMAs e coroada a grande vencedora do UK MVAs, a banda é nossa convidada de honra na comemoração do nosso primeiro ano de vida. Confira o que o baixista Jonathan Corley nos contou por email (durante uma turnê louca com média de cinco shows por semana) sobre essa produção e a carreira, logo após relembrar o videoclipe.

Simple Math

Música Pavê: Parabéns pelo ótimo trabalho em Simple Math! Vocês trabalharam juntos aos diretores (a dupla The Daniels) na nada simples concepção do clipe? 

Jonathan Corley, do Manchester Orchestra: Nós tivemos o prazer de trabalhar com os The Daniels, uns caras incrivelmente criativos e muito divertidos para trabalhar. Eles tiveram as ideias iniciais e nós demos sinal verde para fazerem tudo acontecer da maneira que quisessem. Fizeram uma edição muito inteligente e muitos efeitos especiais dos quais estamos muito orgulhosos. Ganhar os prêmios nos pegou de surpresa e a resposta que estamos tendo superou todas as nossas expectativas.

MP: Qual é a importância que gravar clipes tem para vocês? 

Manchester Orchestra: Acho que os videoclipes são uma forma de arte que ainda não tem o espaço merecido, eles poderiam ter muito mais destaque. A criatividade que os The Daniels colocaram no clipe é inegável. Nós sempre tentamos reconhecer essa importância que os vídeos tem, tanto é que fizemos um para cada música de nosso trabalho anterior, Mean Everything to Nothing.

MP: Quanto ao disco Simple Math, ele foi batizado com o nome da música ou ela foi escrita para “amarrar” o conceito do álbum?

Manchester Orchestra: Ela foi escrita antes de se tornar a faixa-título, mas ela parece conter toda a temática do álbum.

MP: E sobre o clipe de Virgin, existe a história de que ofereceram o vídeo já pronto para vocês. Como foi isso?

Manchester Orchestra: Nós estávamos tocando em Rochester (NY), aí depois do show um estudante de Cinema veio falar com a gente sobre um trabalho que ele tinha feito na faculdade, que parecia casar perfeitamente com a música. Nós ficamos felizes de ouvir que ele estava animado com o projeto, mas ficamos pasmos quando vimos o vídeo que ele tinha feito. Depois de idas e vindas à edição, lançamos o trabalho dele como videoclipe oficial.

Virgin

MP: Vocês vão aproveitar esta turnê para gravar algum videoclipe ao vivo?

Manchester Orchestra: Vamos fazer algumas gravações ao vivo que serão lançadas como podcasts no YouTube.

MP: Falando em turnê,  como é a experiência de tocar com outros artistas? 

Manchester Orchestra: Realizar uma longa turnê com qualquer banda vai acabar influenciando, de alguma forma, o nosso som. Por sorte, tivemos a chance de tocar com bandas incríveis no passado e agora estamos viajando com o White Denim, de Austin, e o The Deer Hunter, da Califórnia. Ambas são ótimas de trabalhar junto.

MP: Ouvindo suas músicas, principalmente no novo disco, é impossível não pensar no quanto elas parecem pessoais. Qual é a sensação de ver outras pessoas não apenas cantando sobre coisas íntimas suas, mas também se identificando com elas?

Manchester Orchestra: Eu fiquei chocado com o quão íntima Simple Math é liricamente. Em certas canções, o Andy mostra uma cena bem específica nas letras e é sempre surpreendente com as diferentes maneiras que os ouvintes se relacionam com uma mesma música.

Shake it Out

MP: Vocês estão promovendo uma hashtag no Instagram para os fãs postarem fotos de seus shows. É importante para vocês como banda se manterem conectados com seus fãs?

Manchester Orchestra: O Instagram é uma maneira muito original de se conectar aos nossos fãs mais fiéis. Ele permite que o público documente visualmente a experiência que teve nos shows. Hoje em dia há muitas maneiras de se manter conectado com os fãs pela Internet (Twitter, Facebook, Instagram, YouTube…) e é sempre ótimo ver as respostas que temos nessas redes.

MP: E os seus fãs brasileiros, quando é que vocês vem tocar pra eles?

Manchester Orchestra: Eu nunca tive a oportunidade de ir ao Brasil, mas não vejo a hora de ter a chance de visitá-los. Espero que uma viagem ao Brasil seja uma surpresa que o futuro está guardando para a Manchester Orchestra.

I’ve Got Friends

Veja mais entrevistas exclusivas no Música Pavê

Shuffle

¡Que Guapo! Antònia Font - Lamparetes

Banda de Mallorca faz reflexões sobre a pós-modernidade em seu novo disco

Explorando o Subconsciente com Radiohead

Banda de Thom Yorke lança o app com download gratuito "PolyFauna", que deixa o usuário passear por um ambiente onírico com seres estranhos ao som do grupo

La Blogothèque: Apanhador Só, Juçara Marçal e Mais

Chega ao fim a série Arua Amusica, do site francês La Blogothèque, que mostra a música brasileira contemporânea em vídeos ao vivo gravados desde 2011. A grande atração deste último episódio é a banda gaúcha Apanhador Só nos únicos vídeos grava...

Curtiu? Comente!

4 Comments on “Entrevista: Manchester Orchestra

  1. Pingback: UK MVAs e os melhores de 2011 : Música Pavê

  2. Pingback: Resumo da Semana 16-20/01 : Música Pavê

  3. Pingback: FestivaisBR – Aquecimento Lollapalooza: Manchester Orchestra

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Clipes por estilo

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.