Entrevista: Manchester Orchestra

Formada em 2004, a banda americana Manchester Orchestra já era conhecida pelos amantes do rock alternativo, indie rock e southern rock por músicas como Shake It Out e I’ve Got Friends, belos exemplos do som misto e cheio de alma (como manda a tradição no sul dos Estados Unidos). Mas foi em 2011, com o videoclipe Simple Math, que o quinteto liderado por Andy Hull ficou conhecido de uma vez por todas pelo grande público. Eleito pelos leitores do Música Pavê como o melhor do primeiro semestre (e sem muitos concorrentes a altura para chamarmos de “Melhor do Ano”), o vídeo eleva a experiência “videoclíptica” em muitos graus ao narrar a experiência da “pré-morte”. Com indicações ao VMAs e coroada a grande vencedora do UK MVAs, a banda é nossa convidada de honra na comemoração do nosso primeiro ano de vida. Confira o que o baixista Jonathan Corley nos contou por email (durante uma turnê louca com média de cinco shows por semana) sobre essa produção e a carreira, logo após relembrar o videoclipe.

Simple Math

Música Pavê: Parabéns pelo ótimo trabalho em Simple Math! Vocês trabalharam juntos aos diretores (a dupla The Daniels) na nada simples concepção do clipe? 

Jonathan Corley, do Manchester Orchestra: Nós tivemos o prazer de trabalhar com os The Daniels, uns caras incrivelmente criativos e muito divertidos para trabalhar. Eles tiveram as ideias iniciais e nós demos sinal verde para fazerem tudo acontecer da maneira que quisessem. Fizeram uma edição muito inteligente e muitos efeitos especiais dos quais estamos muito orgulhosos. Ganhar os prêmios nos pegou de surpresa e a resposta que estamos tendo superou todas as nossas expectativas.

MP: Qual é a importância que gravar clipes tem para vocês? 

Manchester Orchestra: Acho que os videoclipes são uma forma de arte que ainda não tem o espaço merecido, eles poderiam ter muito mais destaque. A criatividade que os The Daniels colocaram no clipe é inegável. Nós sempre tentamos reconhecer essa importância que os vídeos tem, tanto é que fizemos um para cada música de nosso trabalho anterior, Mean Everything to Nothing.

MP: Quanto ao disco Simple Math, ele foi batizado com o nome da música ou ela foi escrita para “amarrar” o conceito do álbum?

Manchester Orchestra: Ela foi escrita antes de se tornar a faixa-título, mas ela parece conter toda a temática do álbum.

MP: E sobre o clipe de Virgin, existe a história de que ofereceram o vídeo já pronto para vocês. Como foi isso?

Manchester Orchestra: Nós estávamos tocando em Rochester (NY), aí depois do show um estudante de Cinema veio falar com a gente sobre um trabalho que ele tinha feito na faculdade, que parecia casar perfeitamente com a música. Nós ficamos felizes de ouvir que ele estava animado com o projeto, mas ficamos pasmos quando vimos o vídeo que ele tinha feito. Depois de idas e vindas à edição, lançamos o trabalho dele como videoclipe oficial.

Virgin

MP: Vocês vão aproveitar esta turnê para gravar algum videoclipe ao vivo?

Manchester Orchestra: Vamos fazer algumas gravações ao vivo que serão lançadas como podcasts no YouTube.

MP: Falando em turnê,  como é a experiência de tocar com outros artistas? 

Manchester Orchestra: Realizar uma longa turnê com qualquer banda vai acabar influenciando, de alguma forma, o nosso som. Por sorte, tivemos a chance de tocar com bandas incríveis no passado e agora estamos viajando com o White Denim, de Austin, e o The Deer Hunter, da Califórnia. Ambas são ótimas de trabalhar junto.

MP: Ouvindo suas músicas, principalmente no novo disco, é impossível não pensar no quanto elas parecem pessoais. Qual é a sensação de ver outras pessoas não apenas cantando sobre coisas íntimas suas, mas também se identificando com elas?

Manchester Orchestra: Eu fiquei chocado com o quão íntima Simple Math é liricamente. Em certas canções, o Andy mostra uma cena bem específica nas letras e é sempre surpreendente com as diferentes maneiras que os ouvintes se relacionam com uma mesma música.

Shake it Out

MP: Vocês estão promovendo uma hashtag no Instagram para os fãs postarem fotos de seus shows. É importante para vocês como banda se manterem conectados com seus fãs?

Manchester Orchestra: O Instagram é uma maneira muito original de se conectar aos nossos fãs mais fiéis. Ele permite que o público documente visualmente a experiência que teve nos shows. Hoje em dia há muitas maneiras de se manter conectado com os fãs pela Internet (Twitter, Facebook, Instagram, YouTube…) e é sempre ótimo ver as respostas que temos nessas redes.

MP: E os seus fãs brasileiros, quando é que vocês vem tocar pra eles?

Manchester Orchestra: Eu nunca tive a oportunidade de ir ao Brasil, mas não vejo a hora de ter a chance de visitá-los. Espero que uma viagem ao Brasil seja uma surpresa que o futuro está guardando para a Manchester Orchestra.

I’ve Got Friends

Veja mais entrevistas exclusivas no Música Pavê

Shuffle

Entrevista: Toodar
Banda inglesa nos mostra que um novo britpop pode estar surgindo. Conversamos com Isabel, metade da dupla de integrantes oficiais do grupo, sobre suas influências e carreira
Alabama Shakes: Os Deuses de Athenas
Brittany Howard e seus companheiros conseguiram, com o melhor do rock'n'roll, até desbancar Adele do primeiro lugar das paradas britânicas, se firmando como uma das bandas do ano
Cinco Bandas que Retornaram aos Palcos em 2012
Vários velhos conhecidos resolveram aparecer novamente em shows ao redor do globo - e o Brasil não ficou de fora da lista de vários deles. Relembre os mais marcantes

Curtiu? Comente!

4 Comments on “Entrevista: Manchester Orchestra

  1. Pingback: UK MVAs e os melhores de 2011 : Música Pavê

  2. Pingback: Resumo da Semana 16-20/01 : Música Pavê

  3. Pingback: FestivaisBR – Aquecimento Lollapalooza: Manchester Orchestra

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com