Entrevista: Francisco, el Hombre

Às vezes, algumas bandas conseguem quebrar a normalidade do que se consome nas rádios trazendo a público pautas que nos fazem crescer como seres humanos, em questionamentos sobre a sociedade e toda uma obra baseada em um diálogo entre música e sua mensagem. É o caso de Francisco, el Hombre, que quebra barreiras midiáticas e leva seu som pelo Brasil e pelo mundo sem abrir mão do que acredita.

Em entrevista ao Música Pavê, o baixista Rafael Gomes falou um pouco de política, de suas viagens pelo mundo e do futuro da banda, que se apresenta hoje (26) em São Paulo (Estrella Galicia Estação Rio Verde (Belmiro Braga, 119), às 22h).

Música Pavê: SOLTASBRUXA completará dois anos de seu lançamento em setembro. Vocês se percebem hoje em um período de transição entre esse e um próximo disco?

Rafael Gomes, Francisco, el Hombre: Com certeza a gente se sente num período de transição. O ponto que a gente tá coletivamente é muito mais próximo do disco novo do que de SOLTASBRUXA, ainda que a gente perceba o quanto esse álbum nos representa. Dele, fica principalmente os frutos e sementes do que o disco em si. A gente tá muito focado nesse novo trabalho, nesse processo de fazer um novo disco, refletindo muito em como SOLTASBRUXA reverberou na gente e construindo uma nova identidade com tudo que rolou.

MP: Quais são as “bruxas” que ainda precisam ser soltas?

Rafael: Tem muita coisa que a gente ainda sente desconforto dentro da gente em relação ao mundo que a gente vive, sejam questões individuais e pessoais ou coisas mais amplas que só se manifestam socialmente. Cada vez mais, Francisco, el Hombre amadurece, a gente compreende que os processos do mundo são muito maiores do que a gente. Mas, ainda assim, isso é um motivo a mais pra seguir procurando entender como esse mundo funciona, como a gente funciona como pessoa e o quanto ainda tem muita coisa que precisa ser dita para ser transformada. As bruxas que vivem dentro da gente são justamente essas energias de transformação que a gente procura sempre manter vivas.

MP: A turnê do disco influenciou a maneira como vocês enxergam a própria banda? Qual a perspectiva que vocês têm hoje de Francisco, el Hombre?

Rafael: Com certeza a turnê influenciou a gente. Quando você toca uma música, você toca para compartilhar. No momento que a gente percebe que isso toca nas pessoas, esse sentimento volta pra gente. Os espaços que a gente passou, as pessoas que a gente conheceu e histórias que escutou e que surgiram a partir das músicas que fizemos… tudo isso transforma a gente! Tocar o disco várias vezes, tentar entender como trazer cada vez mais clareza pra essas mensagens, pensar em novos arranjos, tudo isso foi se transformando. A gente é a voz de onde a gente percorre, a gente sempre quer ouvir e passar pra frente. Fazer o melhor uso possível do poder que o microfone dá. Através dele, nós conseguimos amplificar ideia, passar mensagens e a intenção é usar isso tudo pra ser a voz das pessoas por aí.

MP: Da mesma forma, como o show se desenvolveu ao longo do tempo?

Rafael: A gente, com o tempo, conseguiu entender as músicas de um jeito diferente de quando a gente tava gravando. Ali, eram sementes. Gostamos muito de improvisar, a gente sempre deixa essa abertura na música pra que a gente possa modificar. Aos poucos, várias ideias foram surgindo. A gente foi sentindo que o show ficou mais e mais dançante, exatamente como a gente quis. Queremos levar festa pras pessoas, botar a bunda no vidro cada vez mais.

MP: Já se passou um mês de sua apresentação no Lollapalooza. Como são hoje as lembranças do festival?

Rafael: O Lollapalooza foi muito legal, não só o nosso show. Ficamos muito alegres de termos chegado cedo e visto tudo também.
Foi a maior causação (risos). Foi muito legal, numa vibe muito boa, super se curtindo. Teve vários shows muito inspiradores e o festival é maravilhoso justamente pelas oportunidades de trocas. Ver bandas de outros amigos tocando naquele palco gigante também é demais!

MP: Vivemos um caos político enorme em nosso país com raízes bem profundas. Vocês acham que os próximos trabalhos continuarão ativamente críticos em relação às questões sócio-políticas ou pensam que seja a hora de descansar um pouco da luta e se enveredar por outros temas?

Rafael: Nem só de política vive o homem, né? SOLTASBRUXA veio bem no ano do golpe contra o governo da Dilma e acabou refletindo isso, não só pelo que a gente cantava, mas também pela maneira que ele foi recebido. Uma coisa que a gente discute muito entre a gente é como falar, mais do que o que falar. As músicas que estão vindo no novo álbum abarcam sim questões sócio-políticas, mas a gente se preocupa em não estimular a polarização. A sociedade já tá muito polarizada, reforçar esse embate só nos enfraquece. Precisamos das pessoas unidas. Mesmo que a gente tenha diferenças, existem muitos outros pontos que a gente converge. São com eles que a gente precisa trabalhar, é deles que queremos falar. Existe uma estrutura de poder imposta que desfavorece a todos e, enquanto a gente não conseguir entender os pontos em comum, ficaremos presos. Todos estamos insatisfeitos, precisamos focar nas semelhanças e não mais nas diferenças.

MP: Cuba possui muito misticismo no imaginário popular, por conta de uma propaganda política forte. O que vocês trouxeram da viagem ao país em termos de aprendizado sobre o povo e até mesmo suas políticas?

Rafael: Cuba é um país maravilhoso e, como todos os outros lugares maravilhosos do mundo, tem um monte de problema. Acho que essa coisa que a gente tem de julgar como melhor ou pior, ainda mais de longe, é muito complicado e gera muita possibilidade de cairmos em conceitos rasos. Ir para lá deu a oportunidade de aprender mais sobre a sociedade cubana. A maneira como Cuba foi conduzida com certeza envolve muitas decisões macro sociais que acarretaram nos problemas que eles têm lá, mas isso acontece em todo lugar. Na contramão disso, eles tem muita solução lá que nós näo vivemos aqui. Você perceber o quanto a desigualdade social afeta na segurança pública é muito importante, lá isso é muito sensível. Podem até dizer que nivela por baixo, mas isso tem muitas outras vantagens que a gente ainda não vive aqui. Seja capitalista, anarquista, socialista, a gente tem muito a aprender mais do que a criticar.

MP: Depois de tanto Brasil e América Latina, a quais outros territórios que Francisco, el Hombre gostaria de visitar para levar sua música?

Rafael: Qualquer lugar desse planeta, inclusive fora dele nós iremos! Nem o céu é o limite.

Curta mais de Francisco, el Hombre e outras entrevistas exclusivas no Música Pavê

Shuffle

Curtiu? Comente!

Comments are closed.

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com