Entrevista – Fernando Temporão + Michele Leal

fernando-temporao-michele-leal-entrevista

Para fechar com chave de ouro o mês de maio do Festival BRio, quarta-feira, dia 28, no Centro de Referência da Música Carioca (RJ), tivemos as apresentações do carioca Fernando Temporão, que lançou o incrível álbum De Dentro da Gaveta da Alma da gente – um disco de 2013 que não tem hora para te fazer feliz -, e de Michele Leal, uma menina com a voz tão encantadora quanto uma linda flor de Jacarandá.

O Festival Brasil no Rio aconteceu toda quarta-feira, desde o dia 7 de maio, no Centro de Referência (Tijuca), e contou com nomes importantes da cena independente brasileira como, Mahmundi, César Lacerda, Emerson Leal, Ventre, Posada e o Clã e Brunno Monteiro.

Poucos dias depois do show, o Música Pavê conversou um pouco com Fernando e Michele, e o resultado você pode ver abaixo.

Música Pavê: Como vocês avaliam as diversas cenas de música brasileira atualmente?

Fernando Temporão: Vejo tudo com muito otimismo. Existem vários movimentos de gente incrivelmente talentosa, seja a turma da música tradicional, do samba e do Choro da Lapa (do qual eu fiz parte também), seja o pessoal dessa cena contemporânea. Acho que o Rio de Janeiro tem esse mérito de ter soprado ao Brasil novos rumos pra música brasileira no final dos anos 90, com Acabou La Tequila, Los Hermanos, Mulheres Q Dizem Sim etc, embora seja uma cidade muito ligada ao passado e à tradição. Mas é difícil avaliar as cenas apenas artisticamente. Acho que, pra uma cena estabelecer artistas e consolida-los, é preciso um contexto que englobe casas pra que os artistas toquem, empresários, jornalistas, produtores, e toda uma rede que sustente uma geração talentosa como temos agora no Rio, em São Paulo, Belém, Recife etc. E isso raramente acontece.

Michele Leal: O Brasil é um país muito diverso na sua cultura. E, naturalmente, a diversidade musical de hoje é fruto disso. Faço parte de uma dessas diversas cenas. Acho incrível essa riqueza! Minha música é um reflexo disso. Tem baião, samba, rock, bossa. Enfim, tá tudo ali junto e misturado. Acho que dessas variadas cenas, a independente aqui do Rio, com Ava Rocha, César Lacerda, Negro Leo entre outros, e a de São Paulo, com Passo Torto, Juçara Marçal, são a turma que mais me agrada. Acho um som original, forte e com um fator crucial pra mim: verdade musical.

MP: O mundo se tornou ágil, veloz e intenso. Surgiram plataformas de vídeos (YouTube, Vimeo), redes sociais, likes, compartilhar e até o Hangout. Tudo foi ficando muito mais acessível e ao mesmo tempo cômodo. O que os festivais representam no meio de tanta tecnologia?

Fernando: Acho que não apenas os festivais, mas toda possibilidade de apresentação ao vivo é uma forma de consolidar com o público aquilo que é semeado virtualmente pelas redes. Hoje existe, inevitavelmente, o fã virtual, porque a Internet leva a nossa música para espaços que não poderemos ocupar fisicamente. Isso é bom, é uma conquista da tecnologia. Mas essa conquista não substitui o contato direto entre artista e público. Essa mistura produz um terceiro elemento que não acontece nas telas de computador. Então é importante que hajam shows e festivais – como panoramas ou retratos de um movimento – para que esse comodismo da exposição virtual seja transformado em algo orgânico, real.

Michele: As plataformas que se tem hoje são inúmeras. E elas jogam ao nosso favor, do artista independente. Graças a elas, podemos compartilhar nosso trabalho e nos fazer notar. E o Festival é tudo de bom. É quando temos a chance de propagar a música, de estar perto do público, de formar novos públicos, de vibrar com a música. Uma iniciativa importantíssima pra nós músicos. Queremos tocar. Queremos mostrar o que estamos produzindo.

MP: Como isso pode ajudar na disseminação do seu trabalho?

Fernando: Acho que a vantagem dos festivais é poder tocar para um público que não está ali exatamente para te ver. É muito bacana ter essa chance de se apresentar para o público de outros artistas. Acho que é uma forma legal de expor o trabalho e ampliar o público.

Michele: Como falei acima, existe a necessidade de se formar público. E o festival existe pra isso. Pra ajudar nessa formação, pra que a troca aconteça entre os músicos participantes. Eu mesma adorei por ter assistido ao show do Temporão, que até então não tinha tido a oportunidade.

MP: O que o público do Festival BRio e o público de outros estados podem esperar de vocês em um futuro próximo?

Fernando: Eu tenho feito um esforço gigantesco para sair do Rio de Janeiro e mostrar o disco em outras cidades. Agora, as dificuldades são sempre muito maiores do que as facilidades. Já levei o show pra São Paulo, acho que estarei por lá mais vezes no segundo semestre, mas a grande conquista é sair desse eixo RJ- SP e poder soprar essa música pros lugares que certamente ainda não sabem dela. Mas tudo depende de grana, convites, espaços, estrutura. Acho que o que meu público pode esperar, é uma vontade gigantesca de rodar o Brasil com esse show, que tá lindo demais.

Michele: Pode esperar e acreditar que existe uma galera nova fazendo um trabalho muito legal, verdadeiro na sua essência. A música toca as pessoas quando tem esse elemento. Eu acredito nisso e faço música pensando assim. E, quando for o tempo certo, esses trabalhos vão naturalmente ganhar relevância em um suposto cenário musical. Creio eu que ainda há muito o que amadurecer até que se chegue nesse lugar. Muito trabalho pela frente!

Curta mais entrevistas exclusivas no Música Pavê

Shuffle

¡Que guapo! Anna Roig i L'ombre de ton chien - Je t'aime
A cantora e sua banda fazem um pop leve cantando sobre poder dizer “eu te amo” e ser correspondido pelas ruas de Barcelona
Jan Felipe - Assim Como/À la Dérive
As duas músicas, que são essencialmente a mesma, ganharam também um só videoclipe, com imagens sobrepostas, texturas e cores de temperaturas diferentes
Bob Dylan - Like a Rolling Stone
Quase 50 anos após seu lançamento, uma das músicas mais famosas do mundo ganha seu videoclipe oficial, uma obra interativa que brinca com clichês televisivos

Curtiu? Comente!

Comments are closed.

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.