Entrevista: Far From Alaska

“Estou acordando agora pós-Circadélica”, confessou Cris Botarelli ao Música Pavê por telefone na segunda, 24, com uma voz de sono bastante satisfeita do show que Far From Alaska fez no festival no dia anterior. O clima de realização vem também da ansiedade pelo lançamento de Unlikely, disco que chega ao grande público finalmente em 4 de agosto.

Ele foi gravado nos Estados Unidos sob a produção de Sylvia Massy, que já foi engenheira de som em trabalhos de gente como Foo Fighters, Björk, Prince e Red Hot Chili Peppers. O resultado começou a ser mostrado recentemente com o single (e clipe) Cobra.

No mesmo fim de semana que receberemos seu segundo álbum, Far From Alaska apresenta-se em Brasília no festival coMA, ao lado de nomes como Lenine, Emicida, Scalene, Silva e Baleia, entre vários outros (veja a programação completa no site oficial do evento). Entre outros assuntos, Cris comentou o diálogo com os outros músicos em eventos assim e a diversidade de seu público.

Música PavêQuando comparo o clipe de Cobra com suas produções anteriores, percebo uma ambientação bastante diferente – se antes eram grandes produções, a nova parece trazer uma “urgência” muito maior -, tem outra pegada. Isso diz alguma coisa sobre o novo disco?

Cris Botarelli: Exatamente isso. A música foi escolhida como single por isso, porque a gente acha ela muito “pé na porta”, tipo “estamos aqui, lembra da gente?”. A gente quis que fosse diferente dos outros, que fosse no chroma key, meio tosco, porque o disco está com uma vibe um pouco mais despretensiosa que o primeiro. Não que o anterior seja pretensioso, mas é um pouco mais sério, havia muita vontade de acertar nos arranjos e nos riffs, e acho que a gente agora está mais relaxado como banda e como pessoa também, todo mundo mais seguro do que cada um faz na banda e a gente pôde brincar um pouco mais com isso.

MP: Isso tem a ver com a maturidade que vocês ganharam nesses anos, com gravações, estrada, shows, não é?

Cris: É, e tem uma coisa que foi determinante nesse processo todo. A gente tem uma cara muito séria, e nossas fotos não ajudam, de banda do mal, banda… stoner… rock… do demônio (risos), e a gente não é assim, a gente detesta passar essa imagem. E isso começou a incomodar ao longo do tempo, as referências que as pessoas traziam, tipo em entrevistas, eram para um lado de um rockão clássico que não é o nosso. E acho que a gente conseguiu deixar esse novo disco com nossa cara.

MP: E como foi esse processo de afirmar e comunicar a identidade da banda?

Cris: Pela falta de experiência, tudo era muito novo para a gente. Agora que a gente está conseguindo ser quem a gente é mesmo. O lance da identidade da banda era uma coisa que estava ali, mas a gente só conseguiu enxergar mesmo, quando saiu o primeiro disco. É um processo lento, mas a gente está muito orgulhoso de saber agora como mostrar a banda como a gente gostaria.

MP: Como vocês percebem o público da banda hoje?

Cris: A gente dialoga com vários públicos. Tem uma galera roqueira, o que é óbvio, mas aí tem aquela que sempre surpreende que é a galera do pop, que gosta porque tem as meninas dançando, tem uma galera gay, porque a gente é gay, e tem uma galera mais velha, aquele cara de cabelo grande, metaleiro desde os anos 80, que chega pra gente e fala “nunca mais tinha ouvido nada assim desde os anos 90” (risos), tem todo mundo.

MP: Em outras palavras, é a banda que vai unir todas as tribos.

Cris: Isso, é o Norvana (risos).

MP: Algo que eu acho muito interessante é que eu percebo que Far From Alaska é um dos poucos casos de um crescimento de popularidade muito orgânico, baseado principalmente pela qualidade da música (situação rara no Brasil) e ampliado pelo boca a boca. Como vocês enxergam isso?

Cris: É isso. A banda tem vários “embaixadores” (risos), as pessoas vêm falar “nossa, mostrei pra todos os meus amigos, estão todos aqui no show agora, todos gostam da banda”. E nos shows a gente percebe quando tem gente nova, depois na semana manda mensagem falando “não conhecia, achei foda”.

MP: Veio daí também a ideia de trabalhar o disco por financiamento coletivo?

Cris: Cara, a gente tem uma coisa muito doida na nossa história que é ter conseguido muita coisa por causa das pessoas na Internet (risos), a galera que acha a banda massa e quer que dê certo. É como se todo mundo fosse da banda (risos), é muito massa isso, um sentimento muito verdadeiro. E a gente estava nessa loucura de querer gravar o disco nos Estados Unidos sem um real dentro do bolso. Aí a gente fez o financiamento em forma de pré-venda. A gente queria que a pessoa sentisse que estava junto, participando ali daquele momento. Tinha até recompensas que eram só enquanto a gente estava lá para as pessoas se sentirem parte do processo.

MP: E sobre gravar o disco nos Estados Unidos, como foi a experiência?

Cris: Acho que foi nossa melhor experiência de banda. Gravar com a Sylvia… ela é muito doida! Sabe gênio doido? É ela. Só que ela é de um jeito que não deixa as pessoas de fora, é super good vibes. A gente estava um pouco temeroso, porque nunca tinha sido produzido por ninguém, mas foi muito legal. Ela somou bastante em várias coisas, e fez vários experimentos de gravação que a gente achou muito massa. Por exemplo, ela gravou o synth passando por uma salsicha. Em outra, passando por um picles e chegando no amplificador.

MP: Quando você falou “salsicha”, eu ia comentar que não conheço esse termo técnico de estúdio, mas você disse também “picles”, então eu acho que é exatamente o que eu estou pensando.

Cris: (risos) Cara, o termo técnico para “salsicha” no estúdio é “salsicha”. E ela queria uma salsicha daquelas recheadas com queijo, disse que não adiantaria ser outra. Sai um cabo do synth, ela espeta dois fiozinhos e sai para o amplificador. E isso destorce o som, dá um drive diferente, porque ela conduz meio toscamente. E ela curte essas experiências, disse que às vezes nem usa essas gravações, mas que é divertido fazer. E o clima foi sempre massa.

MP: Far From Alaska é uma banda sempre presente em festivais, como o coMA. O diálogo que vocês possuem com as bandas brasileiras de hoje, e a participação em eventos assim, influenciou as novas músicas?

Cris: Sim, não tem como, essa vivência, com muitas jams, acaba influenciando sim. Inclusive, eu gostaria que, quando rolasse aquela pergunta “quais são as influências da banda?”, eu responderia que é essa galera mesmo, porque a gente tá junto sempre que dá, a gente escuta essas músicas, vai aos shows, faz música junto… não tem como não ser influenciado.

Curta mais de Far From Alaska no Música Pavê

Shuffle

Curtiu? Comente!

Comments are closed.

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com