Entrevista: César Lacerda

césar lacerda

Não foi necessário ouvir mais de uma vez a música Herói pra ter certeza que Porquê da Voz chegaria com status de álbum premiere. A cara deluxe, aquela de mpb rara, quase extinta, vem dar ainda mais gás a um movimento que vem ganhando força aqui no Rio de Janeiro e se difundindo rapidamente nas redes sociais.

Minha observação é muito clara quando penso que uma nova música está sendo reproduzida, não é algo totalmente novo, mas é algo brasileiro e moderno, com a ventura de dissonâncias e acordes lúgubres.

César Lacerda está pairando como uma nota boa, prolongada, que não demorará a ser ouvida. Com músicas exatas, com forte apelo à poesia, ele vem ganhando adeptos num curto espaço de tempo (não tem nem duas semanas que o álbum foi lançado).

Com uma remasterização invejada do que podemos entender como o período da nossa melhor música; César conseguiu, acredito que com paciência e tempo, colocar exclamações e belezas em suas músicas e aceitar-se, como náufrago, no destino cada vez mais concreto.

Veja abaixo a entrevista que fizemos com César Lacerda há alguns dias, antes de sua ida a São Paulo para o show de lançamento do álbum na capital paulista.

Música Pavê: Qual a diferença do César (que lançou um EP em 2011) para o César do Porquê da voz?

César Lacerda: O César Lacerda que lançou o EP em setembro de 2011 estava ainda construindo uma linguagem junto à banda que o acompanhava. Na ocasião, gravamos aquele trabalho ao vivo no estúdio; era uma forma de testar o que vínhamos criando e ensaiando. Por fim, me surpreendi com o resultado e decidi lançá-lo. E a recepção do público também foi muito positiva. Já o Porquê da Voz foi um trabalho bastante pensado. Houve uma pré-produção alongada, onde testamos arranjos e instrumentações, e depois, nove meses de gravação… Enfim, um longo processo que contribuiu sobremaneira para o êxito e a identidade particular do trabalho.

Música Pavê: Quando ouvi o seu álbum me lembrei muito da galera dos grandes festivais do Brasil. Sua música é totalmente brasileira, com poesia e um arranjo sofisticado que me remeteu há um tempo dourado da nossa MPB. Fazendo um apanhado disso tudo que disse, me diga: Quais são suas inspirações para compor? E quem você admira na música brasileira?

César Lacerda: A era dos festivais configurou um postulado muito significativo na história da música no país. E não apenas àquilo que tange especificamente a música, mas também, e, sobretudo, à postura dos artistas diante de várias questões que emergiam na sociedade à época. Compreendo que estas questões ressurgem para nós hoje e nossos discos podem ser uma resposta (ou uma pergunta!) em relação a tudo isso. Porquê da Voz pretende ser um disco que trate sobre questões que, entendo, são muito centrais à vida do Brasil novo, ainda que estas percepções estejam, de certa forma, escondidas pela naturalidade e síntese das canções. Após compor Porquê da Voz, enxerguei a possibilidade de compor um grupo de outras canções que dialogassem esteticamente com esta primeira e, assim, realizar a obra. Queria fazer um disco sobre o exercício, a sedução e o mistério do canto, e a maneira como as canções compostas aqui acompanharam a vida e a invenção de nosso imaginário. Pretendia dizer que tudo isso surgia de um gesto, em grande parte, feminino e que, por fim, algo desse mistério nos traria chaves para compreender o grande enigma da construção de uma nova humanidade, onde o Brasil seria peça central. Enfim, uma sensação que compartilho com muitos outros. Nesse sentido, este disco manifesta uma necessidade de contribuir com outros trabalhos pensados a partir de considerações semelhantes às minhas. Penso agora em Caetano Veloso, Darcy Ribeiro, Milton Nascimento, Karin Ainouz, Luiz Gabriel Lopes e Luiza Brina. Penso em Dona Edith do Prato e em seu Humberto do Boi do Maracanã.

Música Pavê: Por que o nome Porquê da Voz? Há um simbolismo ou uma história por trás desse nome?

César Lacerda: Acho que na pergunta anterior já esclareci um bocado sobre a questão. Mas gostei da sua observação sobre o nome carregar algo de fantástico, ou misterioso. Gosto sempre de pensar no mito da sereia e na beleza dessa fábula. Recentemente, ouvi de uma amiga que quem canta não mente. É sugestivo e muito bonito enxergar o canto como uma potencia da verdade, algo que pode solucionar instantaneamente a aspereza da vida. O Porquê da Voz é um estado de contemplação desses eventos enigmáticos e tão reveladores de nossa experiência social.

Música Pavê: Há muito tempo eu não escuto uma música tão bonita como Herói. Como foi fazê-la? De onde ela veio?

César Lacerda: Fi-la depois de conversar com Luiza Brina sobre o livro Carnavais, Malandros e Heróis, de Roberto da Mata. Fiquei seduzido por aquela observação de que um arquétipo tão central da vida de nosso povo seria o “Herói”. De que gestos absolutamente centrais de nossa construção enquanto nação vinham daquela figura. Hoje, esta é a minha canção mais conhecida e a mais querida.

Música Pavê: Houve uma boa crítica sobre seu show no Oi Futuro RJ na semana passada. Não pude ir, mas uma galera disse que foi lindo o seu show. Conta para os leitores do Música Pavê: Quais são seus próximos passos? Onde mais você se apresentará?

César Lacerda: As apresentações no Rio foram maravilhosas. O teatro da Oi Futuro esteve lotado por duas noites e muitas pessoas que foram até lá não conseguiram entrar. Estou realmente bastante feliz com tudo isso. Agora, estou na estrada indo pra São Paulo. O lançamento acontecerá lá, no Sesc Vila Mariana (dia 5 de setembro). Depois iremos pra Belo Horizonte. O lançamento acontecerá na Virada Cultural no dia 14 de setembro. Tocaremos depois do Pato Fu e da Elba Ramalho no palco da Praça da Estação. Por aqui, só felicidade!

Curta mais de César Lacerda e veja outras entrevistas exclusivas no Música Pavê

Shuffle

Ícones de Bandas Icônicas
Alguns nomes de bandas nos remetem imediatamente a imagens, mas representações gráficas podem também acabar nos comunicando grupos que conhecemos
Playlist: Mais uma Horinha de Rock
Já que Franz Ferdinand tocou no Brasil nesta semana e Gram, Cachorro Grande e Interpol tem alguns dos lançamentos mais comentados da temporada, chegou a hora de ouvirmos mais uma horinha de rock
Belle and Sebastian - Olympic Village, 6AM
No clima do evento mundial que acontece no Rio de Janeiro, banda escocesa revela música inédita através de um vídeo que compila diversos momentos de Olimpíadas passadas

Curtiu? Comente!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.