“Sunlit Youth”: Local Natives e suas Projeções

local-natives-sunlit-youth-fotos

A banda Local Natives surpreendeu a todos quando liberou o streaming de seu novo álbum, Sunlit Youth, em seu Tumblr um dia antes do lançamento oficial, que acontece nesta sexta, 9 de setembro. Mas não é somente isso que os curiosos podem encontrar no site.

Um pequeno texto junto ao lançamento ressalta o quão boa era a época quando compravam um CD, ficavam horas ouvindo as novas músicas e curtindo a arte que vinha dentro da caixinha. É uma experiência que qualquer um que comprou um disco físico já teve, quando você se imergia dentro do universo que a banda criou. Hoje em dia, a arte visual impressa acabou sendo um pouco esquecida e é ótimo ver músicos que se dedicam cada vez mais tempo para criar algo para os olhos junto à obra, o que costuma vir no formato vídeo. Álbuns visuais recentes, como os de Frank Ocean, Beyoncé e Florence + The Machine são de fazer o queixo cair. Vídeos que complementam as músicas e inserem o fã ainda mais nas músicas. Agora, foi a vez de Local Natives entrar nessa.

Junto com seu diretor de arte Brian Roettinger, os californianos criaram uma série de fotografias que se relacionam a cada faixa em Sunlit Youth. No Tumblr, tem tudo separado perfeitamente e cada faixa te leva pra certas fotos. Ao todo, são doze músicas e cada uma delas tem uma série de fotos que as complementam. Inclusive, algumas imagens foram utilizadas (ou projetadas) no vídeo feito para a canção Villainy. As fotografias encontradas no site com certeza seguem o mesmo ar que o clipe.

Alguns membros da banda aparecem nas fotos com caras sérias, noutras fazendo movimentos bruscos que não conseguem ser capturadas nitidamente pela câmera. As projeções feitas em cima deles variam entre frases importantes das canções ou, ao meu ver, imagens de objetos que se relacionam de algum modo à música cantada e ao álbum.

Por exemplo, em Past Lives, vemos a imagem de um tijolo, o que acredito que seja um símbolo do peso emocional que existe por trás da canção. Dark Days, uma canção que julgo como uma declaração de amor diferente, mostra a estátua de duas pessoas se beijando. Esse é o único dueto com voz feminina e acredito que seja uma reflexão dessas duas características. Psycho Lovers nos mostra a foto usada como capa do álbum: uma planta em um vaso, já Everything All At Once revela uma ampulheta, o que pode ser o símbolo do pouco tempo que temos na vida. Sea of Years nos enche de fotos de pessoas boiando no mar, combinando com o nome da música e a sua letra.

Algumas das faixas repetem certas fotografias e acredito que isso seja uma forma de mostrar aos fãs que algumas canções se complementam. Past Lives e Masters são claramente declarações de amor e, por isso, dividem a mesma imagem. Fountain of Youth e Mother Emanuel são músicas dedicadas à juventude, na sua vontade de não seguir o padrão reforçado pela sociedade.

Depois de visualizar todas as fotos, podemos perceber cinco imagens que representam o álbum: a estatua do beijo, uma caveira dourada, a ampulheta, o mar e a planta. Não podemos saber ao certo o que a banda quis dizer com cada símbolo, mas é uma experiência legal poder ver a obra como um todo e tentar entendê-las junto às músicas. Esperamos que outros músicos voltem a utilizar cada vez mais a arte visual fora do vídeo para complementar as suas músicas. Para o fã, a experiência fica muito mais rica e lhe dá a oportunidade de entender um pouco mais sobre aquilo que esta ouvindo. Sunlit Youth mostra bem isso.

masters sarkdays2 seaofyears2 seaofyears3 pastlives3 everything everything2 villainy fountain2 darkdays3 villainy2 seaofyears fountain pastlives2 pastlives darkdays motherema objetos

Curta mais de Local Natives e de fotografia no Música Pavê

Shuffle

SILVA no Studio 62
Músico visita o estúdio de Rafael Kent e entrega uma bela e introspectiva versão em voz e guitarra da faixa mais surpreendente de seu segundo álbum, "Vista pro Mar"
The Kooks - See Me Now
Em um clima que parece ter sido inspirado por "Encontros e Desencontros", clipe traz o vocalista Luke Pritchard interpretando a canção melancólica pelas ruas de Tóquio
Florence + The Machine - Third Eye
Série "The Odissey", com os videoclipes do disco "How Big How Blue How Beautiful", chega ao seu final com uma obra que dá conta de encerrar o todo cheia também de personalidade

Curtiu? Comente!

Comments are closed.

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com