Pensou Caymmi, Pensou Brasil

caymmi

Em um país tão imenso quanto o nosso, poucos são os artistas que conseguem se fincar na cultura de uma maneira que qualquer cidadão que tenha nascido durante sua carreira (ou nas gerações seguintes) não o conheça de uma forma ou de outra. Dorival Caymmi é um desses que conseguiu se infiltrar no imaginário popular por justamente saber dialogar com ele tão bem na linguagem artística que fosse.

Não quero falar de nacionalismo nenhum, mas esse processo acaba nos ajudando a reconhecermos a nós mesmos como brasileiros. São músicas que você não se dava conta que conhecia (ou mesmo que sabia cantá-las) e quadros com formas e cores que exalam a mesma brasilidade de suas harmonias musicais.

Se olhar para essas imagens já começam a te evocar alguma música popular tupiniquim, saiba que você não está sozinho nessa. Caymmi parecia pegar suas inspirações das mesmas fontes tanto para as telas, quanto para as partituras e imprimia a mesma sensibilidade a ambas.

Toda sua obra já parece familiar desde o primeiro contato. Você vê seus quadros ou ouve suas composições e tudo tem o mesmo tempero, o mesmo cheiro. É gosto de casa, gosto de infância, de aula de educação artística e de saudades – talvez a mais brasileira de todas as palavras da língua que herdamos dos portugueses.

Como Jorge Amado uma vez disse, “Caymmi é uma flor nascida lá em cima que desabrocha de toda essa terra trabalhada, da cultura popular adubada com suor, com sangue, com sonho, com esperança, com todas as dificuldades possíveis que o homem encontra, com toda a magia, e que de repente produz uma flor de cultura, uma coisa esplêndida, única, luminosa, que é a obra de Caymmi, desse poeta extraordinário”.

Não importa onde você estiver no mundo, você vai ter contato com a obra desse artista e pensar (ou repensar) suas origens.

Curta mais de pintura no Música Pavê

Shuffle

Tiago Iorc - Forasteiro
Gravado em Austin (EUA) pelo diretor Rafael Kent, clipe mostra o músico parado em uma rua movimentada enquanto as pessoas espontaneamente interagem com ele e com a câmera
Galeria: Melanie Martinez
Adotando o alter ego de um "bebê chorão", cantora norte-americana trabalha uma estética muito específica em suas músicas, seus clipes e, como você pode ver, suas fotografias
"Street Fighter" versão Grunge
Série de ilustrações mistura dois ícones do início dos anos 1990 - o estilo consagrado em Seattle e o jogo de luta mais famoso do mundo - com bom humor e muita nostalgia

Curtiu? Comente!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com