O que seria do Radiohead sem Stanley Donwood?

Quando ainda se chamava Dan Rickwood, Stanley Donwood estudava na Universidade de Exeter, onde conheceu Thom Yorke, do Radiohead, e a carreira dos dois nunca mais foi a mesma.

Em 1995, a banda lançava seu segundo disco, The Bends, para o qual Yorke convidou o artista para trabalhar na arte do álbum. A parceria deu tão certo que todos os outros lançamentos do Radiohead trazem as ilustrações de Donwood, que ganhou o Grammy de “Melhor Encarte de Disco” por Amnesiac, em 2001.

O trabalho do artista, inspirado por Bosch e Friedrich, entre outros, traz a densidade presente em cada tom do brit pop. Suas linhas bem definidas acompanham as guitarras da banda, enquanto suas variações de cores carregam em si a melancolia do vocal de Yorke. Os diversos suportes que ele utiliza para suas imagens (fotografia, pintura, desenho, computação) seguem a experimentação que testemunhamos em diferentes fases e canções feitas nesses últimos 16 anos.

Acima da musicalidade, seus quadros exprimem a contemporaneidade que o Radiohead tanto explora em seus trabalhos. Cada um dos álbuns reflete em sua totalidade o espírito de nossa época como poucos produtos culturais lançados pela indústria fonográfica, daí tantos fãs cativados em uma relação emocional com os discos. Sorte da banda que se associou a um artista tão sensível, imaginativo e ligado ao seu tempo como Donwood; sorte nossa podermos desfrutrar desses registros (que é a tradução literal para records, a palavra em inglês para “discos”) de nossa época em imagem e som.

Leia mais sobre Radiohead

Shuffle

Capas de Discos versão Comida Japonesa
Foo Fighters, Nine Inch Nails, Kiss e Aerosmith são algumas das bandas que tiveram as artes de seus álbuns transformadas em decoração de caixinhas de refeições
Músicos Retratados em Emojis
Artista carioca cria desenhos que caricaturizam bandas que conhecemos muito bem dentro da estética dos ícones usados em conversa, resultando em algo conceitual e divertido
Fotógrafa: Carolina Vianna
Artista carioca comenta seu início na publicidade e como encontrou-se no mundo das imagens, com trabalhos na música que vão desde o registro dos palcos até capa da banda Baleia

Curtiu? Comente!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com