O que seria do Radiohead sem Stanley Donwood?

Quando ainda se chamava Dan Rickwood, Stanley Donwood estudava na Universidade de Exeter, onde conheceu Thom Yorke, do Radiohead, e a carreira dos dois nunca mais foi a mesma.

Em 1995, a banda lançava seu segundo disco, The Bends, para o qual Yorke convidou o artista para trabalhar na arte do álbum. A parceria deu tão certo que todos os outros lançamentos do Radiohead trazem as ilustrações de Donwood, que ganhou o Grammy de “Melhor Encarte de Disco” por Amnesiac, em 2001.

O trabalho do artista, inspirado por Bosch e Friedrich, entre outros, traz a densidade presente em cada tom do brit pop. Suas linhas bem definidas acompanham as guitarras da banda, enquanto suas variações de cores carregam em si a melancolia do vocal de Yorke. Os diversos suportes que ele utiliza para suas imagens (fotografia, pintura, desenho, computação) seguem a experimentação que testemunhamos em diferentes fases e canções feitas nesses últimos 16 anos.

Acima da musicalidade, seus quadros exprimem a contemporaneidade que o Radiohead tanto explora em seus trabalhos. Cada um dos álbuns reflete em sua totalidade o espírito de nossa época como poucos produtos culturais lançados pela indústria fonográfica, daí tantos fãs cativados em uma relação emocional com os discos. Sorte da banda que se associou a um artista tão sensível, imaginativo e ligado ao seu tempo como Donwood; sorte nossa podermos desfrutrar desses registros (que é a tradução literal para records, a palavra em inglês para “discos”) de nossa época em imagem e som.

Leia mais sobre Radiohead

Shuffle

Por Trás da Arte de "Zeski", de Tiago Iorc
"Profundo, leve, colorido e onírico" foram alguns dos conceitos que o diretor de arte Felipe Minella tinha para criar a capa do terceiro álbum do cantor, com foto de Rafael Kent
A identidade visual dos festivais de música
Analisamos o que rolou de legal nos festivais internacionais em 2013, desde seu merchandising, identidade visual até mesmo ateliês de serigrafia ao vivo!
Qual É a Cara da Música?
Ação publicitária promove o diálogo entre a música escutamos e a dança contemporânea enquanto tenta criar uma tradução visual para o som que promove o movimento

Curtiu? Comente!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.

Contato

fale@musicapave.com