David LaChapelle e seus retratos do mercado fonográfico

Poucos nomes são tão presentes e relevantes para a Fotografia nas últimas duas décadas como David LaChapelle. Seu estilo é referência no mundo da Moda e logo fez escola também nas fotos de músicos, seja em editoriais (como os da revista Rolling Stone), capas de discos ou imagens de divulgação.

Seu trabalho capta, como poucos, a extravagância da indústria fonográfica norte-americana. Em suas fotos, os artistas viram personagens achatados em um mundo claustrofóbico, sob uma erotização artificial e cores fantásticas. Tudo é tão anti-naturalista quanto Hollywood.

E não se engane pela conotação negativa que essas frases trazem. É difícil não ser cativado pelo trabalho desse mestre, que também se destaca na produção e direção de vídeos publicitários e videoclipes. A variedade de estilos musicais de seus retratados é pasteurizada em seu olhar fashion, que adquire dimensão e diversidade nos temas, cores, ângulos e composições de suas obras, mesmo que feitas no mesmo formato.

Aprecie na galeria abaixo um pouco do trabalho de David LaChapelle. Vale a pena visitar seu site oficial e ver mais fotos destes músicos, assim como seus trabalhos em outras áreas.

Veja mais de David LaChapelle no Música Pavê

Shuffle

Bryan Adams por trás das câmeras
Nem todo mundo sabe, mas o músico canadense possui sólida carreira também como fotógrafo. Conheça alguns de seus trabalhos com outros músicos
John Mayer - Shadow Days
O músico viaja por belas paisagens para compor e se livrar da dor que reinava em seus tais "dias sombrios", sob aquele clichê de vídeos de pop rock com o pôr do sol ao fundo, mas com uma qualidade a mais que os outros
Por Trás da Arte de "Zeski", de Tiago Iorc
"Profundo, leve, colorido e onírico" foram alguns dos conceitos que o diretor de arte Felipe Minella tinha para criar a capa do terceiro álbum do cantor, com foto de Rafael Kent

Curtiu? Comente!

2 Comments on “David LaChapelle e seus retratos do mercado fonográfico

  1. Adoro! Já conhecia algumas, como a do Eminem – acho que foi capa de alguma revista? – e da Mariah Carey – se não me engano, era o encarte traseiro do CD “Rainbow” (heh, ganhei do Natal quando criança) – e vários outros me pareceram familiares, mas gostei especialmente dos que nunca tinha visto… Principalmente os da Christina Aguilera e John Mayer, que somam a essa artificialidade uma melancolia que, ao mesmo tempo que soma-se ao falso, ao exagerado, acaba por isso mesmo parecendo mais real… (como a dor de estar enclausurado nesse mundo).

  2. Pingback: Florence + The Machine – Spectrum : Música Pavê

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Sobre o site

Feito para quem não se contenta apenas em ouvir a música, mas quer também vê-la, aqui você vai encontrar análises sem preconceitos e com olhar crítico sobre o relacionamento das artes visuais com o mercado fonográfico. Aprenda, informe-se e, principalmente, divirta-se – é pra isso que o Música Pavê existe.